Novo primeiro-ministro da Polônia, Donald Tusk, pede que a UE apoie a Ucrânia

0
25


O recém-eleito primeiro-ministro da Polônia, Donald Tusk, pediu, nesta terça-feira (12), em seu discurso no Parlamento, apoio para a Ucrânia em guerra e afirmou seu desejo de reconstruir uma comunidade nacional profundamente dividida.


Na noite desta terça, por 248 votos a favor e 201 contra, os membros da Câmara baixa do Parlamento Polonês deram o seu apoio ao governo pró-europeu de Tusk, encerrando oito anos de poder nacionalista populista.


Tusk será empossado antes do presidente Andrzej Duda durante uma coletiva de quarta-feira.




Em seu discurso aos deputados no Parlamento, Tusk fez um apelo ao mundo para uma “mobilização total” a favor da Ucrânia frente à ofensiva russa e garantiu que trabalhará “efetivamente em favor de Kiev”.


O ex-presidente do Conselho Europeu também se manifestou que espera se reunir ainda esta semana com o presidente ucraniano, Volodimir Zelensky, na cúpula europeia em Bruxelas.


O desejo de cooperação parece recíproco, visto que Zelensky lhe invejou imediatamente uma mensagem de “parabéns” na rede social X (antigo Twitter) no mesmo dia de sua eleição como chefe do governo polonês.


O novo primeiro-ministro declarou ainda que vai restaurar a substituição da Polónia na União Europeia (UE), dando ao seu país uma voz forte, e prometeu libertar os fundos europeus congelados por Bruxelas, com quem o Executivo populista anterior mantinha relações conturbadas.


“Somos mais fortes, mais soberanos, não só quando a Polônia é mais forte, mas também quando a União Europeia é mais forte”, disse Tusk, que já havia sido primeiro-ministro de 2007 a 2014 e presidente do Conselho Europeu de 2014 a 2019.


A menos que haja surpresas, o novo primeiro-ministro deverá ocorrer na manhã de quarta-feira (13).

Veja também

STF determina ao Congresso regulamentação da licença-paternidade

LICENÇA

STF determina ao Congresso regulamentação da licença-paternidade

Argentina anuncia "sanções severas" e medidas para limitar protestos contra plano de austeridade

América doSul

Argentina anuncia “sanções severas” e medidas para limitar protestos contra plano de austeridade





Source link

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here