Tuesday, June 25, 2024
HomePoderá Cyril Ramaphosa, da África do Sul, sobreviver ao revés eleitoral do...
Array

Poderá Cyril Ramaphosa, da África do Sul, sobreviver ao revés eleitoral do ANC?

O Congresso Nacional Africano (ANC), no poder na África do Sul, perdeu a maioria nas eleições do país esta semana pela primeira vez desde o fim do apartheid, num grande revés para o partido que liderou a libertação do país do domínio da minoria branca.

O ANC, que lidera o país desde 1994, iniciou negociações à porta fechada com outros partidos para tentar formar uma coligação governamental – algo que nunca tinha tido de fazer até agora. No entanto, os analistas dizem que as perdas do partido e as pressões que irá enfrentar por parte de potenciais parceiros de aliança também lançaram uma nuvem sobre o futuro do homem que o ANC esperava que o levasse a outro mandato: o Presidente Cyril Ramaphosa.

Com quase todos os votos contados, o ANC obteve cerca de 40 por cento do mandato, seguido pelo principal partido da oposição, a Aliança Democrática, com 21 por cento. Em terceiro lugar está a grande história de sucesso das eleições: o partido uMKhonto we Sizwe (MK) do ex-presidente Jacob Zuma, que devastou a principal base eleitoral do ANC, parece pronto para formar o governo na província de KwaZulu Natal e pode revelar-se crítico na determinação se o ANC formará o próximo governo sob Ramaphosa. O partido MK obteve quase 15 por cento dos votos nacionais e 45 por cento dos votos em KwaZulu Natal, a província natal de Zuma.

O MK, cuja liderança sênior – incluindo o próprio Zuma – é composta por muitos políticos com raízes no ANC, já descartou um acordo com o partido do governo, a menos que demita Ramaphosa primeiro. Depois de conduzir o ANC ao seu pior desempenho eleitoral de sempre, Ramaphosa enfrentará intensa pressão para se afastar, disseram analistas.

“Eles perderam a maioria e perderam-na gravemente”, disse Richard Calland, diretor para África do Cambridge Institute for Sustainability Leadership. “Isso representa uma derrota muito significativa.”

O ANC ainda é a maior formação política da África do Sul e é quase impossível que o próximo governo seja formado sem o partido, pelo que estará em posição de conduzir as negociações da coligação, disse Callard. “A questão é se Ramaphosa liderará essas negociações ou se irá demitir-se ou será deposto a muito curto prazo.”

Estas questões são ampliadas pelas opções limitadas que Ramaphosa e o ANC enfrentam, enquanto tentam formar uma coligação que possa governar.

Zuma vs Ramaphosa: uma história amarga

Se o ANC e o MK se unissem, teriam uma clara maioria no parlamento. O apoio do ANC também ajudaria o MK a ultrapassar a metade do caminho em KwaZulu Natal, dando ao partido de Zuma a oportunidade de formar um governo na sua primeira tentativa: o partido só foi formado no final do ano passado.

No entanto, é mais fácil falar do que fazer, segundo analistas.

O declínio do apoio eleitoral do ANC surge num contexto de deterioração das infra-estruturas públicas, desigualdades sociais e aumento da criminalidade. A África do Sul tem o desemprego mais elevado do mundo, com 33 por cento, e o desemprego juvenil é de 45 por cento. Os apagões contínuos de eletricidade prejudicaram a economia.

Ramaphosa e outros responsáveis ​​do ANC também enfrentaram escândalos de corrupção pessoal, com o presidente a certa altura a enfrentar um voto de desconfiança devido a alegações de má conduta.

No entanto, por detrás da queda de 17 por cento na quota de votos do ANC desde as eleições de 2019, quando obteve 57 por cento dos votos, está também o aumento do MK de Zuma.

Embora Zuma tenha escolhido pessoalmente Ramaphosa para ser seu então vice-presidente, os dois se desentenderam desde então. As suas queixas remontam a 2018, quando Zuma foi forçado pelo ANC a renunciar ao cargo de líder do partido e de presidente devido a vários escândalos de corrupção em que estava envolvido.

Assumindo o cargo de líder do partido e presidente, Ramaphosa criou uma comissão de inquérito para investigar Zuma e referiu-se à presidência do seu antigo chefe como anos de corrupção e desperdício. Zuma, em declarações públicas, respondeu inúmeras vezes ao presidente e ao ANC.

Em Dezembro passado, Zuma apoiou o novo partido da oposição MK, embora ainda afirmasse fazer parte do ANC, o que levou à sua suspensão. Os analistas previram então que Zuma pretendia desafiar Ramaphosa e dividir a votação do ANC nas eleições desta semana, utilizando a sua base de apoio leal em KwaZulu Natal. Ele agora cumpriu essa ameaça.

“Trata-se de 'assuntos inacabados' entre os dois, como o Presidente Ramaphosa já disse antes”, disse Sanusha Naidu, analista do Instituto para o Diálogo Global. “Zuma sente que precisa de ser justificado por ser acusado de corrupção. Ele sente que as instituições estão contra ele. O MK não vê o ANC sob Ramaphosa como uma organização credível e legítima.”

Uma coligação difícil

Apesar de supervisionar uma queda acentuada na sorte do ANC, Ramaphosa tem sido – pelo menos até recentemente – o rosto mais popular do partido. Nas sondagens internas do ANC realizadas em Março, o político foi considerado o mais popular dos principais líderes partidários e obteve uma classificação superior até mesmo à do próprio ANC. Isso torna mais difícil para o partido substituí-lo, disseram analistas.

Ex-líder sindical, antigo protegido de Nelson Mandela e empresário rico, Ramaphosa é creditado pelos seus apoiantes pelo seu pragmatismo constante e por polir a imagem da África do Sul a nível mundial como um combatente dos oprimidos nos países do “Sul Global”.

A sua presidência foi especialmente elogiada por apoiar os palestinianos e por apresentar um caso histórico de genocídio contra Israel no Tribunal Internacional de Justiça por causa da guerra em Gaza. Este mês, o Tribunal Mundial decidiu que Israel suspenda o seu ataque militar a Rafah, no sul de Gaza – uma exigência do direito internacional que Israel ignorou ao continuar os seus ataques à cidade palestiniana.

Em vez do MK, uma grande coligação com a DA poderia oferecer tanto ao ANC como à África do Sul uma aliança governamental mais estável, disseram os analistas. Isso não será fácil. Os críticos da DA acusaram-na de abandonar os interesses da minoria branca do país, e o partido tem sido um crítico ferrenho do ANC e de Ramaphosa. Antes das eleições, prometeu “resgatar a África do Sul do ANC” e prometeu nunca formar um governo de coligação com ele.

Agora, porém, indicou que não está fechando nenhuma opção. E os analistas dizem que uma combinação ANC-DA poderia ser a melhor opção para o país neste momento, unindo a nação e aumentando a confiança dos investidores na economia mais avançada de África.

“Os dois têm diferenças profundas, mas não são intransponíveis”, disse Ebrahim Fakir, analista do Instituto Eleitoral para a Democracia Sustentável. “Com isso, o ANC tem mais hipóteses de estabilidade e de reabilitar instituições governamentais que foram esvaziadas – mesmo que apenas a curto prazo.”

Outra opção, acrescentou Fakir, seria um governo de unidade nacional, onde todos os partidos com mais de 10 por cento dos votos receberiam pastas de gabinete. É o tipo de governo que Nelson Mandela dirigiu depois de chegar ao poder em 1994.

De qualquer forma, haverá desafios, alertou Fakir. “Se o ANC optar pela DA ou por um governo de unidade nacional, os diferentes partidos tentarão minar ou mostrar-se uns aos outros, por isso ambos têm os seus perigos”, disse ele.

Entretanto, o ANC deve considerar outro factor nos seus próprios cálculos de liderança, disse Naidu do Instituto para o Diálogo Global: Será que a remoção de Ramaphosa do poder ajudará realmente o partido a recuperar?

“Mesmo que Ramaphosa seja obrigado a sair ou sinta que precisa de sair, isso não resolve a questão da estabilização do ANC nem resolve a questão de saber se o partido pode colocar o país à frente de si mesmo”, disse Naidu. “É aqui que precisamos desse nível de racionalidade e pensamento pragmático no partido.

“Não se trata apenas do que acontece a Ramaphosa, trata-se realmente do país, dos mercados e, mais importante, das pessoas.”

Fornte

RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Most Popular

Recent Comments