Wednesday, June 19, 2024
Home"Eliminado do mapa": Gazaenses de volta ao campo de refugiados de Jabalia,...
Array

"Eliminado do mapa": Gazaenses de volta ao campo de refugiados de Jabalia, devastado pela guerra

“Todas as casas foram reduzidas a escombros”, disse Najjar à AFP em Jabalia.

Jabalia:

Mohammed Al-Najjar, um gazanês de 33 anos, disse no sábado que ficou “chocado” e se sentindo “perdido” ao voltar para casa, apenas para encontrar grande parte do campo de refugiados de Jabalia em ruínas após uma ofensiva israelense.

“Todas as casas foram reduzidas a escombros”, disse Najjar à AFP em Jabalia, no norte da Faixa de Gaza.

“Você está perdido, não sabe exatamente onde fica sua casa no meio dessa destruição massiva.”

As forças israelitas levaram a cabo uma campanha de bombardeamento massivo em Jabalia nas últimas semanas, parte de uma feroz ofensiva terrestre no norte de Gaza – uma área que os militares tinham dito anteriormente estar fora do controlo dos militantes do Hamas.

“Fiquei chocado com a extensão da destruição na última agressão ao campo de Jabalia”, disse Najjar.

Nos últimos dias, correspondentes da AFP viram dezenas de palestinos fluindo para a área, tentando encontrar suas casas e resgatar os pertences que restaram.

Homens, mulheres e crianças caminhavam pelas ruas onde antes ficavam suas casas, agora cheias de lajes de concreto cinza.

Móveis carbonizados, camas e portas de ferro destroçadas estavam espalhadas por quase todas as ruas do campo, uma área que já foi movimentada e onde moravam mais de 100 mil pessoas, segundo dados da ONU anteriores à guerra.

Muitas famílias carregavam seus pertences em carroças puxadas por burros, enquanto outras caminhavam com camas e colchões na cabeça.

“Não temos outro lugar além das nossas casas”, disse Suad Abu Salah, 47 anos, que também regressou depois de ter fugido da região no início da guerra Israel-Hamas, que agora se aproxima do seu oitavo mês.

Mas “Jabalia foi varrida do mapa”, disse ela.

A guerra foi desencadeada pelo ataque sem precedentes do Hamas, em 7 de outubro, ao sul de Israel, que resultou na morte de 1.189 pessoas, a maioria civis, segundo um balanço da AFP baseado em números oficiais israelitas.

Os militantes também fizeram 252 reféns, 121 dos quais permanecem em Gaza, incluindo 37 que o exército afirma estarem mortos.

A ofensiva retaliatória de Israel matou pelo menos 36.379 pessoas em Gaza, a maioria civis, segundo o Ministério da Saúde do território administrado pelo Hamas.

– 'Fique em nossa terra' –

Apesar da destruição, Najjar disse que as pessoas estavam “determinadas” a regressar aos bairros de onde partiram para evitar os combates.

Os moradores estavam dispostos a “montar tendas e abrigos temporários no meio dos escombros”, disse ele, embora “há medo, medo de que a ocupação (israelense) possa voltar”.

“Mas ficaremos em nossas terras. Não temos outro lugar.”

Na sexta-feira, os militares israelitas anunciaram que tinham concluído a sua missão no leste de Jabalia, onde anteriormente tinham dito que os militantes do Hamas se tinham reagrupado.

No sábado, os moradores de Jabalia disseram que ainda podiam ouvir constantes tiros e bombardeios de artilharia vindos do leste.

Novos combates eclodiram no norte no início de Maio, mais ou menos na mesma altura em que as tropas israelitas assumiram o controlo do lado palestiniano da passagem de Rafah, na fronteira sul de Gaza com o Egipto.

Durante a última operação, as forças israelitas em Jabalia recuperaram os corpos de sete reféns e, no mês passado, os militares relataram combates “talvez os mais ferozes” no local desde o início da guerra.

Mahmud Assaliyah, 50 anos, disse que “casas foram destruídas e blocos de apartamentos inteiros foram completamente destruídos em Jabalia”.

“Não há uma única casa que não tenha sido alvo do exército de ocupação israelense”.

Ele voltou e descobriu que sua casa também havia sido destruída.

“Pilares de cimento caíram, paredes foram destruídas, móveis foram espalhados, queimados e destruídos”, disse Assaliyah.

Abu Salah disse que muitos residentes estão cansados ​​de serem deslocados e só querem ficar onde estão, aconteça o que acontecer.

“Queremos viver como outras pessoas no mundo”, disse ela.

“Precisamos de uma solução e do fim desta guerra, para que possamos viver em paz.”

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Fornte

RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Most Popular

Recent Comments