Tuesday, June 25, 2024
HomeComo os agentes federais protegem os candidatos na temporada eleitoral mortal no...
Array

Como os agentes federais protegem os candidatos na temporada eleitoral mortal no México

Quando LeBaron recebeu pela primeira vez uma equipe de segurança, ele ficou relutante. Ele se recusou até mesmo a deixar Ayala dirigir. “Eu o subestimei”, disse ele.

Hoje em dia, porém, LeBaron admite que conta com sua equipe de segurança. A Agente Ayala nunca está longe, alerta para o perigo.

Ayala explicou que a única ocasião em que a equipa de segurança se retira é quando LeBaron faz campanha em áreas remotas onde a presença da Guarda Nacional provavelmente causaria um confronto com os cartéis locais.

Porém, nem todas as ameaças à segurança vêm do crime organizado. Durante um evento, LeBaron e outras 700 pessoas cavalgaram até uma cidade, e as reações rápidas de Ayala impediram que um grosso galho de árvore caísse sobre Johnson Berlin, esposa de LeBaron.

Vestindo uma camisa de manga curta e imaculadamente passada, Ayala explicou que seu trabalho é ser flexível, facilitando, mas não impedindo, a campanha do candidato. Isso significa que os planos são feitos – e alterados – instantaneamente.

“Executar a segurança durante a campanha difere da proteção VIP normal”, disse Ayala.

“Tudo muda. Temos que estar sempre prontos, sem o luxo de planejar rotas primárias, secundárias e terciárias que venham com proteção diplomática padrão.”

Ayala salienta que muitos políticos de alto nível têm horários rígidos para estruturar o seu dia, organizados com a ajuda de uma grande equipa. Proteger candidatos como LeBaron, porém, exige mais fluidez.

As equipes de proteção nem sempre são bem-sucedidas. No último dia de campanha, José Alfredo Cabrera, candidato em Guerrero, foi assassinado apesar de contar com uma equipa de segurança da Guarda Nacional.

Ayala culpou os novos protocolos pela criação de falhas de segurança. Disse que exigem que os agentes da Guarda Nacional estejam uniformizados e afastados dos candidatos.

As novas regras “não respeitam os protocolos habituais de guarda-costas que exigem que você esteja sempre o mais próximo possível do diretor”, explicou.

Ayala também destacou a necessidade de adaptação quando viaja com candidatos, algo que ele acha que as novas regras não acomodam.

“Quando não há agenda, é preciso fazer tudo no momento. Os protocolos habituais, como não dirigir à noite, não se aplicam mais”, afirmou.

Um cavaleiro se segura ao entrar no ringue montado em um touro em um rodeio em que LeBaron fez campanha [Lexie Harrison-Cripps/Al Jazeera]

A capacidade de adaptação de Ayala foi testada pela última vez quando LeBaron deixou o último rali de sua campanha às 23h em Matachi, uma área conhecida por ser particularmente perigosa.

Durante o evento, Ayala recebeu informações de que homens armados, em cerca de 20 veículos, patrulhavam as ruas circundantes.

A viagem de duas horas de volta à casa de LeBaron seria perigosa. O tempo era essencial: cada segundo ao ar livre era um segundo em perigo.

Anteriormente, LeBaron sempre insistiu em quebrar o protocolo para sentar-se na frente, mas agora seguiu as instruções do agente para sentar-se no fundo com sua esposa. Dois caminhões da Guarda Nacional imprensaram o veículo do candidato.

Enquanto dirigiam, Johnson Berlin notou um caminhão se comportando de maneira irregular atrás deles, com os faróis brilhando pela janela traseira. O medo brilhou em seus olhos enquanto o caminhão tentava repetidamente ultrapassar o comboio em alta velocidade.

Em alerta máximo, os agentes da Guarda Nacional apontaram as suas armas para o camião, os lasers verdes das suas armas ricochetearam sobre o veículo quando este finalmente passou pelo comboio e desapareceu na noite.

Ayala, LeBaron e o comboio continuaram a voar pelas estradas rurais, com Ayala abraçando o veículo da frente, nunca mais do que alguns metros de distância. Eles ultrapassaram o sinal vermelho, atingindo velocidades de 180 quilômetros por hora (120 milhas por hora).

Mas então a perseguição parou repentinamente. Eles precisavam de gasolina.

“Estamos no meio do que parece ser uma perseguição em alta velocidade quando temos que parar por meia hora para abastecer. É superineficiente e perigoso”, comentaria LeBaron mais tarde, tendo finalmente conseguido voltar para a relativa segurança de sua casa.

Mas a campanha finalmente acabou. Não havia mais nada que ele pudesse fazer além de esperar pelo resultado das eleições de domingo – e ver aonde a vida o levaria em seguida.

Fornte

RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Most Popular

Recent Comments