Wednesday, June 19, 2024
HomeSobreviventes do 7 de Outubro estão processando grupos pró-Palestina. Mas qual...
Array

Sobreviventes do 7 de Outubro estão processando grupos pró-Palestina. Mas qual é o objetivo?

Nove sobreviventes dos ataques de 7 de Outubro no sul de Israel apresentaram uma acção civil contra grupos pró-Palestina nos Estados Unidos, alegando que o seu trabalho de defesa de direitos em campi universitários constitui “apoio material” ao “terrorismo”.

Mas os arguidos reagiram, alertando que o caso faz parte de um padrão de ataques legais destinados a colocar grupos pró-palestinos na defensiva e a restringir a liberdade de expressão nas universidades dos EUA.

“É absolutamente uma ameaça à liberdade de expressão, e é uma ameaça à liberdade de expressão em qualquer frente, em qualquer questão, não apenas na Palestina”, disse Christina Jump, advogada dos Muçulmanos Americanos pela Palestina (AMP), um dos dois réus no caso.

A ação, movida em 1º de maio em um tribunal federal na Virgínia, descreve como os nove demandantes se esquivaram de tiros e perderam entes queridos durante os ataques de 7 de outubro, liderados pelo grupo palestino Hamas.

Alega então que a AMP e outro grupo universitário, os Estudantes Nacionais pela Justiça na Palestina (NSJP), actuaram como “divisão de propaganda do Hamas”, visando estudantes norte-americanos.

O processo diz que a AMP e a NSJP trabalharam para “recrutar estudantes universitários desinformados, equivocados e impressionáveis ​​para servirem como soldados de infantaria do Hamas no campus e fora dela”.

O resultado, argumenta, foi “angústia mental, dor e sofrimento” para os nove sobreviventes. Mas grupos pró-Palestina e defensores da liberdade de expressão temem que processos judiciais como este procurem silenciar os manifestantes estudantis, equiparando a actividade política não violenta ao “terrorismo”.

“Existem organizações legais, sejam elas constituídas como organizações sem fins lucrativos ou quase-governamentais ou empresas privadas, que se envolvem no uso de ações legais para intimidar oponentes políticos”, disse Yousef Munayyer, chefe do programa Israel-Palestina no Centro Árabe de Washington. DC, um grupo de reflexão.

“Vemos isto em muitos contextos diferentes, mas especialmente em Israel-Palestina, onde se tornou parte de uma estratégia que visa silenciar a dissidência.”

Debate sobre discurso no campus

Os ataques de 7 de Outubro mataram cerca de 1.139 pessoas, tendo cerca de 250 outras sido feitas prisioneiras.

Em resposta, Israel lançou uma guerra em Gaza, bombardeando o estreito enclave palestiniano e cortando fornecimentos essenciais como alimentos e água.

Mais de 36 mil palestinos foram mortos no ataque de Israel, muitos deles mulheres e crianças, com especialistas em direitos humanos alertando para um “risco de genocídio”. As Nações Unidas também declararam “fome total” em partes de Gaza, provocada pelo cerco de Israel e pelos esforços para bloquear a ajuda humanitária.

Os campi universitários têm sido fundamentais para o movimento anti-guerra. Escolas como a Universidade de Columbia, em Nova Iorque, viram estudantes erguer acampamentos e ocupar edifícios para aumentar a consciencialização sobre a situação dos palestinianos.

Um estudo realizado pelo Armed Conflict Location and Event Data Project (ACLED), um grupo que recolhe dados sobre protestos e violência política em todo o mundo, concluiu que 97 por cento dos protestos universitários foram pacíficos.

Mas a reação foi intensa. Alguns grupos pró-Israel e autoridades eleitas apelaram às universidades para que usassem mão dura contra os manifestantes pró-Palestina em nome do combate ao anti-semitismo.

Universidades como a Columbia responderam chamando a polícia, resultando na prisão de milhares de manifestantes em todo o país. Outros estudantes foram suspensos ou tiveram seus diplomas negados por sua participação nos protestos.

Em pelo menos um caso na Universidade da Califórnia, Los Angeles (UCLA), os manifestantes foram atacados fisicamente com canos de metal e maças por contramanifestantes pró-Israel enquanto a polícia aguardava em grande parte.

Aaron Terr, diretor de defesa pública da Fundação para os Direitos e Expressão Individuais (FIRE), disse que a reação, em alguns casos, equivale à censura.

“A liberdade de expressão no campus realmente sofreu um golpe nos últimos meses”, disse Terr à Al Jazeera. “A maioria dos casos de censura que vimos envolveram indivíduos pró-Palestina, embora também existam alguns casos do lado pró-Israel.”

Sequência de ações judiciais

Os defensores também veem o processo deste mês como parte de uma tendência mais ampla de usar o sistema legal para reprimir a mídia e a defesa de direitos considerados críticos a Israel. O caso é o mais recente de uma série de ações judiciais movidas por grupos pró-Israel nos últimos meses.

Em Março, os sobreviventes do 7 de Outubro processaram uma organização americana sem fins lucrativos que apoia a Agência das Nações Unidas de Assistência e Obras aos Refugiados da Palestina (UNRWA), alegando cumplicidade no ataque mortal.

Israel, no entanto, não forneceu provas de que a UNRWA estava envolvida, e uma investigação independente lançou mais dúvidas sobre essas alegações.

Depois, em Abril, familiares das vítimas do 7 de Outubro apresentaram uma petição ao sistema judicial do Canadá para impedir o governo do país de restaurar o financiamento à UNRWA, que fornece ajuda fundamental a Gaza.

Outra ação federal, movida no início deste ano, tinha como alvo uma organização jornalística: a Associated Press (AP). Alegou que a Associated Press contratou membros do Hamas como freelancers nas suas atividades de recolha de notícias.

A mesma organização que processou a Associated Press também está envolvida no caso de May contra a AMP e a NSJP: o Jewish National Advocacy Center (JNAC). A Associated Press classificou a reclamação contra ela de “infundada”.

O Centro Nacional Judaico de Defesa alegou que as organizações apontadas como réus em seus processos têm ligações com o Hamas.

“Este caso é muito simples: quando alguém lhe diz que está a ajudar e a ser cúmplice de terroristas – acredite”, disse Mark Goldfeder, director do centro, num comunicado de imprensa anunciando o processo contra a AMP e o NSJP.

Goldfeder não respondeu às perguntas da Al Jazeera sobre o processo de maio ou o caso contra a Associated Press.

Mas Jump, a advogada da AMP, disse que o caso contra a sua organização continha deturpações e falsidades.

Ela disse que a AMP opera inteiramente dentro dos EUA – e não, como indica o processo, em conjunto com entidades estrangeiras como o Hamas. Ela acrescentou ainda que o NSJP não é subsidiária da AMP, como afirma a ação.

“São muitos pontos de discussão, muitos jargões, muitas generalizações e saltos”, disse Jump sobre o processo.

‘Estresse e intimidação’

Alguns críticos acreditam que certos grupos pró-Palestina deveriam ser examinados quanto ao conteúdo das suas mensagens – embora também considerem o recente processo judicial excessivamente amplo.

Muitas organizações pró-palestinianas apelaram a um cessar-fogo em Gaza e ao fim do apoio à ocupação dos territórios palestinianos por Israel, que já dura há décadas. A NSJP manifestou apoio aos grupos armados palestinianos, que consideram uma forma legítima de resistência.

A NSJP, por exemplo, emitiu um documento no rescaldo dos ataques de 7 de Outubro, qualificando a violência de “uma vitória histórica para a resistência palestiniana”.

Dov Waxman, diretor do Centro Nazariano para Estudos de Israel na UCLA, disse acreditar que a retórica do grupo parecia “apoiar implicitamente o Hamas”.

Isso, por sua vez, poderia alienar outros que criticam a conduta de Israel em Gaza, acrescentou.

“Acho que o SJP merece ser condenado pela sua expressão de apoio ao terrorismo”, disse Waxman por e-mail. Mas ele traçou uma distinção entre liberdade de expressão e o que era legalmente acionável.

“O apoio retórico ao terrorismo – embora seja terrível – não é o mesmo que apoio material ao terrorismo”, explicou. “Nos Estados Unidos, o primeiro é o discurso protegido; o último é um crime.”

Munayyer, analista do Centro Árabe, disse que as alegações de ligações entre grupos de defesa pró-Palestina e o “terrorismo” muitas vezes desmoronam quando examinadas. Mas ele acredita que focar nas deficiências dos casos é equivocado.

“O objectivo destes esforços é colocar os alvos na defensiva, fazê-los gastar tempo, energia e recursos numa defesa legal que de outra forma poderiam estar a usar para fazer activismo”, disse ele.

“O dano à reputação – colocar estresse e intimidação nas organizações – é o ponto. Não é realmente para vencer.”

Fornte

RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Most Popular

Recent Comments