Wednesday, June 19, 2024
HomeDez anos após o genocídio Yazidi, sobreviventes lutam para reconstruir vidas
Array

Dez anos após o genocídio Yazidi, sobreviventes lutam para reconstruir vidas

Dez anos depois do massacre do EIIL contra o povo Yazidi, centenas de milhares de sobreviventes deslocados não conseguem regressar em segurança às suas antigas casas no Iraque, afirmam duas ONG num novo relatório.

O relatório publicado na sexta-feira pela Refugees International e Voice of Ezidis alertou que aqueles que fazem a perigosa viagem para a Europa vivem num limbo jurídico.

Apelou aos países europeus para que lançassem um visto humanitário para os sobreviventes do genocídio, que permitiria aos yazidis chegar à Europa em segurança, e para que aplicassem medidas a nível da UE que lhes permitiriam estabelecer-se em países onde têm familiares.

Os Yazidis, um grupo há muito perseguido cuja fé está enraizada no Zoroastrismo, ainda estão a recuperar dos horrores do ataque do EIIL à sua comunidade no distrito de Sinjar, no Iraque, em 2014.

Em poucos dias, quase 10 mil pessoas foram mortas – baleadas, decapitadas ou queimadas vivas – ou sequestradas, de acordo com a revista PLOS Medicine da Public Library of Science em 2017.

Algumas aldeias em Sinjar são cemitérios comuns – ainda por exumar. Acredita-se que mais de 2.800 mulheres e crianças ainda estejam desaparecidas.

Uma década depois, os sobreviventes ainda enfrentam traumas.

Sinjar permanece em grande parte em ruínas, com o governo federal iraquiano e a região autónoma do Curdistão do Iraque a lutar pelo controlo da área. Os yazidis estão privados de agência política e incapazes de praticar a sua religião. Poucos receberam reparações ou compensações.

Segundo o relatório, mais de 200 mil yazidis continuam deslocados, espalhados em campos na região do Curdistão e em áreas disputadas no norte do Iraque.

O governo iraquiano, que este ano anunciou o prazo de 30 de julho para fechar os campos, ofereceu pagamentos e empregos a quem saísse. No entanto, os investigadores dizem que os yazidis com quem falaram sentem-se incapazes de regressar às condições perigosas de Sinjar.

Investigadores das duas ONG conversaram com 44 refugiados na Grécia em três campos, um em Serres e outros dois perto das cidades de Salónica e Atenas.

Muitos deles estavam entre os 4.000 que fugiram em 2023. Além dos abusos por parte do EIIL, os yazidis também relataram discriminação por parte dos curdos.

Com a falta de “caminhos seguros” para a Europa, os yazidis tendem a contratar contrabandistas para os levar para países como a Grécia, de onde se deslocam para outros estados europeus, onde as pessoas muitas vezes morrem ou enfrentam a deportação durante a viagem. As famílias são frequentemente divididas e os membros espalhados em locais diferentes. Muitos dos yazidis entrevistados na Grécia passaram anos a viver na “miséria” nos campos, mas não conseguiram regressar aos perigos no Iraque ou reunir-se com a família em países como a Alemanha e os Países Baixos.

Aqueles que chegam à Europa enfrentam anos de separação dos entes queridos. Uma mulher entrevistada em Serres deixou para trás o seu filho de dois anos no Iraque. O seu objetivo era chegar aos Países Baixos, onde o seu marido tem familiares, pedir asilo e levar o seu filho diretamente para lá. No entanto, quando finalmente chegarem aos Países Baixos, serão necessários 15 meses para processar os seus pedidos de asilo e 81 semanas para solicitar que o seu filho se junte a eles.

Entretanto, na Grécia, as famílias enfrentam múltiplos desafios. Uma vez reconhecidas como refugiadas na Grécia, as pessoas são obrigadas a abandonar os seus campos no prazo de um mês, sem ter onde viver e sem meios de sustentar as suas famílias.

O HELIOS, um programa de integração apoiado pela Organização Internacional para as Migrações, consegue satisfazer apenas “uma fracção da procura” de ajuda, afirma o relatório.

Alguns abandonam o país e as autoridades gregas alegadamente aceleram a concessão do estatuto de refugiado e de passaportes, para que possam voltar a solicitar asilo noutro local, muitas vezes na Alemanha.

Muitos encontram-se num limbo jurídico, uma vez que a Alemanha “despriorizou” os pedidos de asilo entre 2019 e 2022 de requerentes aos quais já tinha sido concedida protecção internacional na Grécia.

O relatório afirma que muitos dos que tiveram asilo negado receberam o estatuto de “Duldung”, o que significa que não podem trazer familiares para se juntarem a eles.

Nos termos de um acordo de 2003 com o Iraque, eles serão até deportados. No ano passado, a mídia curda noticiou que um homem yazidi deportado após 11 anos na Alemanha morreu em Erbil. Sem ter onde morar, ele construiu um abrigo improvisado de papelão sob uma ponte perto do Estádio Franso Hariri da cidade, onde foi encontrado morto.

Ainda não está claro como os yazidis serão afetados pelo Pacto da UE sobre Migração e Asilo, aprovado pelo Parlamento Europeu no mês passado. Ao abrigo do “mecanismo de solidariedade” da nova lei, os países da UE devem partilhar a responsabilidade pelos requerentes de asilo, tendo em conta “ligações significativas”, incluindo laços familiares, ao transferirem pessoas para países terceiros.

Mas o pacote também poderá piorar a situação para os yazidis, com os países da UE a criarem agora instalações fronteiriças para acolher e examinar os requerentes de asilo, enviando de volta aqueles considerados inelegíveis. Grupos de direitos humanos criticaram as reformas, dizendo que elas minam os direitos dos requerentes de asilo e os expõem a violações dos direitos humanos, como detenções arbitrárias e policiamento abusivo.

Fornte

RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Most Popular

Recent Comments