Wednesday, June 19, 2024
HomeCom a guerra prolongada em Gaza, Netanyahu de Israel pode sobreviver a...
Array

Com a guerra prolongada em Gaza, Netanyahu de Israel pode sobreviver a Biden: Analistas

Washington DC – O exército israelense lutará em Gaza pelo menos durante os próximos sete meses, disse o conselheiro de Segurança Nacional de Israel, Tzachi Hanegbi, no início desta semana.

A previsão suscitou preocupação sobre o destino do território palestino, que já enfrenta fome, deslocamentos em massa e violência diária israelense que matou mais de 36 mil pessoas desde 7 de outubro.

Uma guerra prolongada também prejudicaria a campanha de reeleição de Joe Biden em Novembro, dizem os especialistas, uma vez que o presidente dos Estados Unidos já enfrenta uma queda acentuada no apoio público ao seu apoio inequívoco a Israel.

Khalil Jahshan, diretor executivo do think tank Centro Árabe de Washington DC, disse que uma ofensiva israelense em Gaza que se estende além das eleições nos EUA de 5 de novembro pode significar que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu sobreviverá a Biden.

“Eu adoraria dizer que esse cenário é irrealista, mas não posso. Esse cenário é real. E isso pode acontecer em 5 de novembro”, disse Jahshan à Al Jazeera.

Durante meses, os defensores alertaram que Netanyahu tem um interesse político pessoal em prolongar a guerra para aumentar a sua posição política a nível interno.

O inverso é verdadeiro para Biden. Várias pesquisas de opinião pública nos EUA favorecem atualmente o ex-presidente republicano Donald Trump para derrotar Biden em novembro – embora por uma margem relativamente pequena.

Pesquisas recentes em Israel também mostram Netanyahu recuperando popularidade e superando seu principal rival, o ministro de guerra Benny Gantz.

Guerra de Gaza ferindo Biden

Josh Ruebner, professor do programa Justiça e Paz da Universidade de Georgetown, disse que não há dúvida de que a guerra em Gaza diminuirá as chances de reeleição de Biden.

“Os sinais são claros. A escrita está na parede”, disse Ruebner à Al Jazeera.

“E se Biden decidir continuar com este apoio firme a Israel por mais sete meses, isso não só matará dezenas de milhares de palestinos a mais, mas também fará com que ele perca as eleições.”

Na quarta-feira, uma sondagem do Instituto Árabe Americano (AAI) mostrou que o apoio árabe-americano a Biden nos principais estados indecisos é de 18 por cento, abaixo dos 60 por cento em 2020, em grande parte devido às suas políticas em Gaza.

James Zogby, presidente da AAI, disse que seria politicamente “perigoso” para Biden e para o Partido Democrata se a guerra continuasse durante as eleições nos EUA em novembro.

“Isso significa que, se não houver algo muito dramático que o presidente faça, então esta não será uma eleição fácil para ele”, disse ele aos repórteres durante uma coletiva de imprensa virtual.

Zogby acrescentou que Biden não corre apenas o risco de perder o apoio dos eleitores árabes.

“Os jovens, os negros, os asiáticos acompanham isso diariamente, vendo um genocídio se desenrolar. Eles não são insensíveis ao que estão vendo”, disse ele.

“Eles estão horrorizados. E então o presidente diz: 'Nenhuma linha vermelha foi ultrapassada. Vamos continuar fazendo o que estamos fazendo.' É irritante e doloroso.”

Ainda assim, Biden não mostra quaisquer sinais de mudança de rumo nas suas políticas pró-Israel, mesmo quando Netanyahu desafia abertamente os apelos da Casa Branca para evitar vítimas civis e não invadir Rafah, uma cidade no sul de Gaza.

O presidente dos EUA, por exemplo, assinou no mês passado uma ajuda adicional de 14 mil milhões de dólares a Israel. E em Maio deste ano, depois de ameaçar reter os carregamentos de armas se Israel lançasse uma grande ofensiva em Rafah, surgiram notícias nos meios de comunicação social de que a administração Biden planeava, no entanto, levar a cabo uma venda de armas de mil milhões de dólares.

Ruebner disse que a campanha de Biden nega o impacto da política externa do presidente nas eleições.

“Há muita fantasia e faz-de-conta acontecendo no mundo de Biden de que isso não está afetando suas chances de ser reeleito”, disse ele. “Mas claramente é. E se ele permitir que Israel continue este curso de ação até o final do ano, acho que isso terá um papel enorme na sua derrota.”

Um inquérito realizado pelo grupo de reflexão Data for Progress, em colaboração com o website de notícias Zeteo, mostrou no início deste mês que 56 por cento dos entrevistados democratas acreditavam que Israel estava a cometer “genocídio” em Gaza.

Mas vários relatos da mídia norte-americana sugeriram que Biden e muitos de seus aliados democratas têm dúvidas sobre as pesquisas que o mostram atrás de Trump.

Israel preferiria Trump?

Biden tem sido um defensor intransigente de Israel desde antes de sua gestão na Casa Branca. Mas, apesar dessa posição, Jahshan, do Centro Árabe, disse que Netanyahu e os seus aliados de direita preferem negociar com Trump.

“Eles adorariam ver Trump voltar. Eles sentem que conseguirão o que querem com ele”, disse ele.

Jahshan acrescentou que, embora o apoio de Biden a Israel seja inflexível, os apelos do presidente dos EUA por mais ajuda e protecção dos civis em Gaza são vistos como um “incómodo” pelo campo de Netanyahu.

Embora Biden expresse frequentemente publicamente o seu “amor” por Netanyahu, os especialistas dizem que os dois líderes parecem ter uma relação tensa, especialmente nos últimos meses.

O presidente dos EUA alertou repetidamente Netanyahu contra a invasão de Rafah, mas Israel ignorou essa linha vermelha e lançou um ataque mortal à cidade do sul de Gaza no mês passado.

Em comentários televisivos, Netanyahu também pareceu rejeitar as ameaças de Biden de suspender os envios de armas, dizendo: “Se tivermos de ficar sozinhos, ficaremos sozinhos. Se precisarmos, lutaremos com as unhas.”

Israel também continua a impor um cerco sufocante a Gaza, apesar das exigências dos EUA para que seja permitida mais assistência humanitária no território.

Washington também é a favor de uma solução de dois Estados para o conflito mais amplo, enquanto Netanyahu se opõe veementemente ao estabelecimento de um Estado palestiniano.

O apoio de Biden a Israel permaneceu inabalável, apesar de os seus apelos sobre Gaza terem sido ignorados. Ainda assim, com Trump, é pouco provável que Israel receba estas advertências verbais, disse Jahshan.

O ex-presidente, atolado em questões jurídicas, não tem comentado regularmente a guerra em Gaza.

Trump prometeu recentemente aos doadores, durante uma reunião a portas fechadas, que reprimiria duramente os manifestantes estudantis pró-Palestina se fosse eleito, de acordo com uma reportagem do Washington Post.

Como presidente, Trump alterou ainda mais a política dos EUA, em alinhamento com a liderança da direita de Israel. Ele transferiu a embaixada dos EUA para Jerusalém, encerrou a assistência aos palestinos e impôs sanções a funcionários do Tribunal Penal Internacional por investigarem possíveis abusos israelenses.

“Trump é imprevisível. Ele poderia seguir todos os tipos de direções diferentes, principalmente direções contraditórias. Meu palpite é que ele irá em uma direção pior do que Biden [in support of Israel]”, disse Jahshan.



Fornte

RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Most Popular

Recent Comments